Em transmissão realizada nesta quinta-feira (11), desenvolvedores da EA Motive Studio, juntamente de um representante da comunidade, discorreram sobre como a equipe está empenhada em trazer novos elementos que enriqueçam a experiência do remake de Dead Space. Com o conteúdo focado na recriação dos sons do game, muito espaço foi dado para que Olivier Asselin, Diretor de Áudio, comentasse sobre as mudanças que vem implementando no projeto, que possui janela de lançamento marcada para o começo de 2023 para consoles de nova geração e PC.

Confira, abaixo, mais detalhes sobre a transmissão, que foi separada em quatro blocos mostrando diferentes aspectos e melhorias projetadas para o remake.

Veja também:

dead space
Remake de Dead Space tem lançamento agendado para o início de 2023. Foto: Divulgação/EA

Sons Ambiente

No primeiro bloco, a equipe introduziu as ferramentas utilizadas para tornar os sons ambiente de Dead Space Remake mais realistas, mas mantendo o sentimento de horror e apreensão do game original. Com base na ideia de obstrução e oclusão, focaram em reproduzir o som por superfícies de forma mais sutil, variando de acordo com o material e com a posição do personagem.

Em um primeiro exemplo, usaram o som do fim de um corredor, que é ouvido no jogo de 2008 em uma intensidade padrão mesmo com o protagonista do outro lado da parede. Contudo, no remake o som será reproduzido de forma proporcional, aumentando os decibéis quando não houver mais nenhuma superfície de contato para bloquear as ondas sonoras.

Em seguida, foi mostrado que o som agora possui uma sensação de verticalidade. Dependendo da posição de Isaac Clarke, será possível perceber a profundidade do ambiente em que se está inserido. Ainda, modificadores de som para vidro e portas de compressão estão presentes, interrompendo totalmente o som ou diminuindo sua frequência e clareza.

Siga o The Squad no Twitter e fique por dentro das novidades!

Dead Space Remake
Reprodução: IGN

Armas Modificadas

O som das armas também foi melhorado. O pessoal da Motive Studio introduziu um sistema de camadas para recriar áudios de recarregamento e disparo das ferramentas do arsenal de Isaac. Com destaque para a clássica Plasma Cutter, foi observado que cada parcela do som é tratada de forma individual, gravada em separado e depois colocada de forma conjunta. Todas essas implementações têm o objetivo de eliminar o sentimento artificial de tiros de energia, aproximando as armas de um meio termo mais crível entre uma munição comum e um feixe de plasma.

Como bônus no assunto, Olivier comentou que a equipe usa o áudio original das armas para comparação e reaproveita alguns segmentos que possuem uma qualidade ao nível do que planejam. Com isso, conseguem otimizar o trabalho e focar nos pontos que necessitam de ajustes.

Siga o The Squad no Twitter e fique por dentro das novidades!

dead space
Reprodução: VentureBeat

Sistema “Alive”

Para ir além de simplesmente recriar o áudio em um geral, os desenvolvedores construíram um sistema dinâmico de reações chamado “Alive”. Presente como ferramenta essencial no game original, a respiração era bruscamente cortada em algumas seções e não era interrompida por ações como fala ou ataques corporais (e pisões), fazendo com que o som ficasse sobreposto. No novo sistema, a respiração funciona de forma mais harmoniosa, se recuperando gradativamente de momentos tensos e sendo devidamente interrompida por diversos fatores.

Batimentos cardíacos também estão inclusos no sistema. Gerenciados por uma ferramenta que simula a adrenalina, o aumento e diminuição das frequências do miocárdio revelam níveis de fadiga, medo e prometem aguçar todas as sensações de estar completamente em desvantagem em um ambiente hostil.

Por último, há modificadores nas vozes de Isaac que variam de acordo com o estado do protagonista. Machucado e exausto influenciam diretamente no tom da fala e tempo necessário para que o personagem termine uma sentença. Já vimos isso em outros jogos, como The Last of Us Part II, mas isso não torna a adição menos interessante.

Siga o The Squad no Twitter e fique por dentro das novidades!

Reprodução: Olhar Digital

Música Ambiente

Em relação a música, foi anunciado apenas a opção da equipe de manter as melodias originais, realizando regravações para assegurar uma melhor qualidade sonora. A trilha de Dead Space foi composta por Jason Graves, que também trabalhou em Dead Space 2 e Dead Space 3. Recentemente o compositor participou da trilogia The Dark Pictures Anthology, da Supermassive Games.