Em meio ao gênero de luta tão consolidado com combinações de botões, movimentos de meia-lua nas alavancas e combos longos, Override Mech City Brawl do estúdio brasileiro Modus Studios Brazil aparece no cenário como um abraço caloroso aos fãs de robôs e criaturas gigantes.

Veja também:

Disponível para Xbox One, PlayStation 4, PC e Nintendo Switch — plataforma utilizada para testar o game —, Override Mech City Brawl coloca o jogador no papel de robôs gigantes controlados por soldados que fazem parte de uma organização que protege o nosso mundo do ataque de gigantescas criaturas chamadas Xenótipos.

Pense como um mecha, lute como um mecha

O game se apresenta diferente como jogo de luta. Para comandarmos os mechas, utilizamos os quatro gatilhos. No meu caso, joguei o game no Nintendo Switch, então utilizei os botões R para soco direito, L para soco esquerdo, ZR chute direito e ZL chute esquerdo. Com o botão Y, ativamos o modo de golpes especiais, que conseguimos utilizar quando enchemos as barras de golpes especiais com ataques simples. Pulo, esquiva e defesa também fazem parte do arsenal de movimentos comuns. Quando chegamos a uma certa porcentagem baixa de vida, ativamos o modo com o qual podemos utilizar um super golpe que causa muito dano e proporciona o ponto visual mais atrativo do game, com animações e efeitos impressionantes.

Cada robô possui uma combinação de golpes especiais e todos os robôs possuem bastante personalidade. Cocada, o sapo robô capoeirista, é representante no nosso país e exala carisma.

O inimigo desconhecido, mas familiar

O jogo conta com um modo de arcade como podemos esperar de qualquer jogo de luta, proporcionando uma média de duas horas de duração para ser zerado. O modo funciona como o meio de contar a história de Override Mech City Brawl e é recheado de batalhas contra os Xenótipos em forma de hordas, batalhas contra robôs e chefes que são o triplo do nosso tamanho.

Nesse modo, possuímos uma garagem que funciona como menu do jogo, onde podemos equipar nossos robôs com armas e escudos que chegarão através do portais durante as partidas, e também atualizações para os robôs que promovem mais dano, mais vida e maiores probabilidades de contra ataques. Mods também são equipados para aumentar resistência e habilidades extras. Podemos também escolher nossas próximas missões e destinos.

Personalize, batalhe e colecione

Temos também o modo versus onde podemos escolher entre 16 robôs diferentes, cada um com suas habilidades e golpes especiais, assim como cores diferenciadas que se comportam como skins de tanto que modificam o visual dos nossos personagens, incluindo acessórios — chapéus e adereços — que são destravados quando jogamos o modo história ou quando batalhamos e recebemos pontos que servem como moeda de compra.

Diversão local para quatro jogadores em tela dividida no Switch e modos online também compõe o jogo. Entre os oito cenários disponíveis, Marrocos, Brasil e Japão são representados no game.

A não tão bela parte da batalha

O game é visualmente bonito, porém vemos que o port do Nintendo Switch não explorou tão bem os recursos gráficos do console. No modo portátil, o game aparenta ser granulado e sofre com constantes quedas na taxa de quadros por segundo. Quando partidas com quatro robôs estão rolando, a queda de frames é garantida. Há ainda alguns bugs que podem acontecer sem aviso prévio: uma vez, o meu personagem travou abaixo da terra e tive que reiniciar o game.

A parte sonora também não é um dos pontos fortes do game: sons genéricos e a falta de uma dublagem para os personagens do modo história trazem um vazio ao game.

Sua mecânica de combate é um diferencial, mas também um ponto fraco. Seu fácil entendimento e simplicidade funciona como porta de entrada convidativa aos jogadores novatos e casuais, porém, aos jogadores mais experientes, ela é rasa e dá sinais de cansaço pouco tempo depois de a experiência começar.

Para quem é o game, afinal de contas?

Você que está lendo essa review e é fã de franquias Tokusatsu, Godzilla e Pacific Ring, vá a fundo. Mesmo com alguns problemas, Override Mech City Brawl merece o aplauso de todos por ser um game indie brasileiro. Simples, mas intuitivo e que, acima de tudo, sabe agradar os fãs de robôs gigantes.

A cópia do jogo foi cedida pela publicadora para a produção do review.