No penúltimo dia da final brasileira do VCB, tivemos duas séries para finalizar a chave inferior do campeonato, decidindo quem disputará o título contra a Team Vikings e garantindo vaga no Masters Reykjavík. Nas semifinais da chave inferior a FURIA dominou a Havan Liberty, mas os Panteras acabaram perdendo logo em seguida na final para a Sharks Esports por dois mapas a um. Com isso, a Sharks garante a vaga na Islândia e vai para a grande final do VCB contra a Team Vikings.

Veja também:

VCB
A FURIA teve um dia longo e por pouco não conseguiu a classificação. Reprodução/FURIA

Havan Liberty 0 x 2 FURIA

A Havan venceu o pistol e o round antieco que veio logo em seguida, porém a partir do primeiro armado a situação pendeu apenas para a FURIA. xand, qck e Khalil surpreendiam seus oponentes com suas movimentações, finalizando seu lado atacante com uma larga vantagem de 9×3. Na troca de lados a Havan novamente venceu os dois primeiros rounds, e com uma ótima atuação de Liazzi e Shion, deu pra sonhar com uma virada. Porém a FURIA soube se defender e surgir pra cima da Havan, vencendo o mapa por 13×7.

Na Ascent a FURIA venceu seu primeiro pistol da série e não desacelerou mais. Os panteras estavam com pressa de enfrentar os tubarões e atropelaram a Havan. Qck e Xand novamente brilharam com seus duelistas, ao mesmo tempo em que a Havan parecia abalada e sentiu a pressão do momento. Com um placar avassalador de 13×4, a FURIA fecha a série e avança para enfrentar a Sharks na final da chave inferior.

Siga o The Squad no Twitter e fique por dentre das novidades!

FURIA 1 x 2 Sharks Esports

A FURIA não pode descansar, iniciando a final da chave inferior contra a Sharks. Com sangue nos olhos e valendo a vaga garantida no Masters Reykjavík, ambas as equipes tiveram uma primeira metade intensa, trocando rounds e sem conseguir uma vantagem larga. Acabando 7×5 para a FURIA as coisas mudaram 100% na segunda metade, onde os Panteras dominaram todos os rounds e em uma sequência incrível de defesas fechou a Bind com 13×5.

A vantagem moral do segundo mapa era totalmente da FURIA, não só por estarem a um mapa da decisão mas por ser na Ascent, mapa historicamente muito dominante pelos Panteras. Porém a Ascent foi totalmente dos tubarões, que quebraram a economia da FURIA cedo e jogaram muito bem nos retakes, marcando uma vantagem enorme de 10×2 na primeira metade. No ataque a dominação continuou, e a Sharks mostrou que ainda estava viva no torneio aplicando a primeira derrota da FURIA no dia.

A Icebox foi o mapa decisivo desta final, mapa onde a FURIA já havia encontrado sucesso mais cedo contra o time da Havan. E foi exatamente o que os Panteras fizeram, aplicando oito pontos seguidos até vir o primeiro ponto da Sharks, mas foi a partir daí foi a vez dos tubarões de aplicar vários rounds seguidos, aproximando bastante o placar. O que parecia um atropelo se tornou extremamente disputado.

Com o empate atingido, a Sharks sentiu o momentum do jogo ao seu favor. Contra uma FURIA abalada e que não conseguiu manter a performance, a Sharks deu uma aula de resiliência e trouxe o comeback necessário, vencendo a Icebox convincentemente com 13×10, se classificando para a disputa contra a Team Vikings pelo título do VCB e carimbando o passaporte para o Masters na Islândia.