Início TECH

WhatsApp registra recorde de 100 bilhões de mensagens por dia

O aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp chegou a um marco histórico de aproximadamente 100 bilhões de mensagens por dia. A informação foi compartilhada diretamente por Mark Zuckerberg nesta quinta-feira (29) em uma reunião para informar os lucros do trimestre.

Veja também:

WhatsApp já entrou numa categoria dele mesmo que quase vira uma permissão pra imprimir dinheiro. Foto: Reprodução/TechCrunch

Para se ter uma noção da magnitude da conquista, de acordo com o TechCrunch, a primeira vez que o aplicativo alcançou o total de 100 bilhões de mensagens foi na véspera de ano novo do ano passado. Você não leu errado: o total de mensagens enviadas por WhatsApp até 31 de dezembro de 2019 é o mesmo valor de mensagens trocadas por dia em 29 de outubro de 2020.

Siga o The Squad no Twitter e fique por dentro das novidades!

Atualmente, o aplicativo já é usado por mais de dois bilhões de pessoas e o principal motor dessa expansão é o mercado indiano, no qual o WhatsApp é tão popular que se tornou o aplicativo de celular mais usado superando até mesmo seu “irmão mais velho”, o Facebook. Juntamente com o Brasil, a Índia foi o pilar central do desenvolvimento do mensageiro e da expansão para serviços de pagamento.

Will Cathcart, chefe geral do WhatsApp, soltou um tweet nesta última quinta-feira (29) constatando o que já era esperado. “Neste ano, nós dependemos das mensagens como nunca anteriormente para manter contato com nossos entes queridos e manter nossos negócios funcionando […]”. Apesar de surpreendente, o desenvolvimento rápido do WhatsApp é um claro resultado do distanciamento social motivado pela pandemia.

Agora resta saber quando a empresa receberá o sinal verde do governo brasileiro para estrear como plataforma de pagamentos e revelar se irá ou não avançar com seus planos de se aproximar do WeChat ao usar toda sua influência para se tornar o maior aplicativo de pagamentos da Índia. Considerando que agora ele compete apenas consigo mesmo, talvez este futuro não esteja muito distante.

SEM COMENTÁRIOS

Sair da versão mobile